Friday, November 12, 2004

espera

finda outubro.
vejo os lírios aprumados
no vaso de cristal
e sei que olho para amanhã
com o mesmo gosto de espera
reverberando na boca.

novembro chegará
e os outros meses.
sei que te procurarei
todas as manhãs
e todas as noites
até que não haja tempo.

apenas renovarei o perfume
noturno dos lírios
para que ao chegares,
a casa também te receba.

silvia chueire

2 comments:

maat said...

belíssimo poema.
A sua escrita : ambientes de perfumes,
incensos ,ritos, janelas, países longínquos traçados a véus e sombras de cristal.
amei.
Bela escolha.

Peter said...

Também achei.Se a quiser ler,encontra-a nos links.Cá ando às voltas com os seus livros,mas o tempo é pouco.