Tuesday, January 18, 2005

Insegurança

No romance “A identidade” (no seguimento de “A imortalidade”?), Milan Kundera aborda o tema da insegurança do ser amado.
“Em que instante, diante de que gesto, em que circunstância precisa começa esse processo aterrador?”
Chantal diz a Jean-Marc que dormira mal e perante a insistência deste em saber o motivo, acaba por dizer que:
- “Os homens já não se voltam por minha causa”.

É a “insegurança” dela a seu respeito, como diz Kundera, através do desenvolvimento do pensamento de Jean-Marc:
“Não, não é de um olhar de amor que ela precisa, mas da inundação de olhares desconhecidos (...) Esses olhares conservam-na na sociedade dos humanos, da qual é separada pelo olhar do amor.”

Repare-se na contradição:
- não é “o olhar do amor” que lhe dá segurança. Esse já está garantido. Tornou-se um hábito ... O que a aterroriza é os homens já não se voltarem para a olhar. Esse facto causa-lhe insegurança, é “a luz vermelha a indicar que começou a extinção progressiva do seu corpo.”

8 comments:

amita said...

Uma nálise objectiva, direi mesmo científica, perfeitamente adaptada à preocupação em causa. Contudo a Beleza tem diversas formas. Bjos

Peter said...

Pois é "Amita",mas o que faz os homens voltarem a cabeça para olharem,quando uma mulher passa?

Anonymous said...

peter... me diz... e o que faz uma mulher, voltar a cabeça quando passa um homem?

Anonymous said...

peter... me diz... e o que faz uma mulher, voltar a cabeça quando passa um homem? beijinhos... gisele

amita said...

Se uma mulher irradiar Beleza, todos voltam a cabeça. Se lhe juntarmos um caminhar sedutor.... então... fazem pirueta. Bjos

Anonymous said...

basta o olhar........ gi

Anonymous said...

basta o olhar........ gi

Peter said...

Kundera aborda no livro o problema feminino: a mulher duvidando da sua capacidade de sedução.