Saturday, January 15, 2005

Motivo

Resolvi pulicar alguns poemas da poetiza brasileira Cecília Meireles.

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada

( Cecília Meireles )






3 comments:

EmbaixatrizdoBrasil said...

Peter, essa é uma das minhas prediletas. Bjs do Brasil

Peter said...

Pois vai ler todos os dias uma poesia dela. "Sol" será a semana da Cecília.

Márcia said...

Então, deixo-te este de presente:

Canção Excêntrica

Ando à procura de espaço
para o desenho da vida.
Em números me embaraço
e perco sempre a medida.
Se penso encontrar saída,
em vez de abrir um compasso,
projeto-me num abraço
e gero uma despedida.

Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida.
Já por exausta e descrida
não me animo a um breve traço:
— saudosa do que não faço,
— do que faço, arrependida.


Cecília Meireles

---
e deixo-te também um beijo.