Tuesday, December 15, 2009

Serei a pedra, o sol, a água



Serei a pedra, o sol, a água,
Aquela palavra ausente
Serena que o mal afasta
Da calmaria das noites

A orvalhada, a neblina
Deslizando em ténues brilhos
No azul-negro da cidade

Lusco-fusco que se espalha
Em traços, curvas da estrada
Na solidão caminhante.
Rio descendo a montanha
Saltando escolhos veloz

O laço que se estende
No abraço, no instante
Da água que beija a foz

Serei a onda que grita
No interior de nós
A descoberta tardia

O amor, a liberdade, a paz
Cobrir-me-ão amanhã
Quando a terra despertar
Para mais um dia
De intuições benditas
E o sorriso aclarar

(Fátima Fernandes “Amita”, in “Transparência de Ser”. Foto Peter)

3 comments:

Paula Raposo said...

Muito boa escolha de um poema da Amita do seu último livro.

Rosa Brava said...

Bonito poema para uma igualmente bela foto.
Gostei de ambos.
Um abraço

Rodrigo Della Santina said...

Belo poema!