Sunday, November 28, 2004

O Imprevisto

Sem pressões
Nem compaixões
Segui absorta voando
Pelo tempo em lonjura tornado
Partindo e regressando
De quando em quando

O incógnito ser humano no casulo enclausurado

Sem temores
Nem sentidas dores
O desconhecido aguardando
Ausente de mim, do rodeante, das gentes
Mirantes indiferentes

A caixa imóvel num canto do nada, esperando

Vi-te
Sorri-te
Contido calor d’um abraço
Em mim sonoros falares brotaram
Entre sorrisos, espantos, jorraram

A ave sem asas voava, sem amarras, sem um laço

Ternos olhares
Doces tocares
Química atracção
Instantânea, inconsciente, deslizante
Em segundos, horas, num instante

A música da pauta saiu, leve, tornada libertação


(posted by "amita" )

9 comments:

Anonymous said...

bom domingo amigo..beijinho ...gi

amita said...

Continuação de um bom Domingo, meu amigo. Bjos

bluegift said...

Está muito bem este teu blog. Um beijo :)*

blimunda said...

de eternidade num minuto nos vamos entendendo...

100chave said...

"Em segundos, horas, num instante" e tudo parece pouco quando o seu sabor nos delicia.
Saudações,

Anonymous said...

tudo bem com vc? um abraço....gi

Peter said...

Estes versos são do blog www.brancoepreto.blogs.sapo.pt que é um dos links.Tendo concorrido a um concurso internacional,promovido por www.thebobs.de/bob.php na categoria "temas diversos",encontra-se em 10º.

amita said...

As rápidas melhoras, Peter. Um grande bjinho meu amigo

Maria Odila said...

Vim e li. Gostei muito e sabe o que pediria a vc, Peter? Que colocasse junto aos posts o link de quem escreveu.. hoje que vi que já pediram.
Gosto de vir te ler e apreciar teu gosto.
E acho que muito esquecida ainda nem te agradeci por ter me colocado aqui
beijos de obrigada
beijos de saudades
maria