Wednesday, January 05, 2005

Soneto do amor difícil



A praia abandonada recomeça
logo que o mar se vai, a desejá-lo:
é como o nosso amor, somente embalo
enquanto não é mais que uma promessa...

Mas se na praia a onda se espedaça,
há logo nostalgia duma flor
que ali devia estar para compor
a vaga em seu rumor de fim de raça.

Bruscos e doloridos, refulgimos
no silêncio de morte que nos tolhe,
como entre o mar e a praia um longo molhe
de súbito surgido à flor dos limos.

E deste amor difícil só nasceu
desencanto na curva do teu céu.

(David Mourão-Ferreira)

5 comments:

BlueShell said...

Perdoa a minha falta de assiduidade mas tenho o meu pai no hospital...e está tudo a ser muito complicado! BShell

Márcia Maia said...

Beijo e beijo por mais esta beleza.

Peter said...

BlueShell,lamenta imenso e faço votos por rápidas melhoras para o teu Pai.

Peter said...

Márcia,estive a procurar na FNAC e encontrei do DMF "Obra Poetica",1948-1988,com 428 págs,ed. Editorial Presença,4ª ed.Custa 15,71€.Se fosse menos volumoso,género livro de bolso,eu enviava para você.Prometo ir publicando poemas do livro,que acabei por comprar.

Márcia Maia said...

Vc é um amor, Peter. Fico bem feliz. Beijo!