Sunday, May 15, 2005

Os degraus do tempo



Costumava sentar-me no degrau mais alto
e pela janela via as árvores balouçarem
no silêncio da casa, o silêncio
de ter estado ali há muito tempo
esperando que viesses como agora espero
que o tempo se desdobre na memória
que te guarda.
O mundo era infinito
e a minha existência estava no teu rosto
à espera de um gesto que a desenhasse
para que pudesses nascer todos os dias.

Sentados no degrau mais alto
escutávamos o rumor das árvores,
a folha de um chopo a cair na água
e os círculos minúsculos que se afastavam
até desaparecerem
no vocabulário das palavras curtas
rabiscadas no vidro da janela.

Era assim o mundo
na ignorância de que uma lágrima
se soma às vezes ao destino
e é suficiente para alterar o movimento da terra
e o sabor das letras pisadas
fermentando sozinhas na casa
enquanto o amanhã atravessa o umbral da porta
acima de todas as virtudes,
alimentando o vício de voltar atrás
e subir até ao degrau mais alto
para conceder o último desejo.

( Rosa Alice Branco )

5 comments:

mfc said...

Poucas vezes temos consciência da nossa verdadeira força!

Márcia said...

Peter,

respondendo aqui, por vc ter feito a pergunta no meu blog.
Se pretendo continuar a postar aqui? Pretendo.
Se irei? Depende de vc.
Se entendi a cobrança? De modo alguma, visto que este post é o terceiro depois do poema de Ana Luísa, que postei no fia 15 e que se passaram apenas seis dias.
A vida, moço, não é só um computador ou um blogue. Se vc tivesse prestadoatenção, teria percebido que também não postei nos meus, em nenhum dos meus blogues ou daqueles em que colaboro, nos últimos cinco dias. Precisei fazer uma viagem de emergência por problemas na família. Logo..

Bom, agora é com vc.

Márcia

Peter said...

Márcia, os assuntos de carácter particular costumo tratá-los em privado. Como tal, enviei-lhe um e-mail de resposta ao seu. Aqui quero deixar o meu agradecimento pela sua colaboração e desejar-lhe as maiores felicidades./////
Só uma pequena rectificação: eu não fiz a pergunta no seu blog. Enviei sim um e-mail para o endereço indicado no seu blog, o que é completamente diferente.

Manoel Carlos said...

Belo e triste, de um sebastianismo de doer.

Peter said...

Manoel Carlos, devo-lhe uma explicação: fui obrigado a retirar o seu blog dos links, o que me aborreceu bastante, pois não o conseguia abrir, o PC ficava paralisado e era obrigado a desligá-lo.Lamento.