Sunday, December 25, 2005

Dia de Natal


Natal

“Nasce um deus. Outros morrem. A Verdade
nem veio nem se foi: o Erro mudou.
Temos agora uma outra Eternidade,
e era sempre melhor o que passou.

Cega, a Ciência a inútil gleba lavra.
Louca, a Fé vive o sonho do seu culto.
Um novo deus é só uma palavra.
Não procures nem creias : tudo é oculto.”

(Fernando Pessoa)

6 comments:

Su said...

bela foto, bela escolha no poema
adorei ler e ver
jocas maradas de natal

dulce said...

"..tudo é oculto" Uma bela escolha.
Beijos para ti.

Heloisa B.P said...

CONTINUACAO DE FESTAS FELIZES*!!!!!

Meu Abraco!

Heloisa.
**********

maat said...

Gostei muito da escolha.(imagem e poema)
e...
antes de passarmos para o 2006, venho desejar-lhe tudo de Belo para si.

E Bom.


Um abraço,


maat7

amita said...

Adorei as escolhas. Já por aqui passei mas só hoje li o poema com atenção. Segundo Cesare Pavese em "Deus Absconditus":
"Este simples dado:
Deus não está oculto.
Mas suicidado."
Bjos e um alegre dia.

(Natal: bom, entre gente linda; aniversário: descansando do Natal)
Um doce sorriso para ti e uma flor

Manoel Carlos said...

Que em 2006 sejamos atentos às palavras do poeta.
Grande e fraterno abraço.
Manoel Carlos
http://www.agrestino.blogger.com.br

Quem Morre

Morre lentamente quem não viaja,
quem não lê, quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói o seu
amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem se transforma
em escravo do hábito, repetindo todos
os dias os mesmos trajetos, quem não
muda de marca, não se arrisca a vestir
uma nova cor ou não conversa com
quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma
paixão, quem prefere o negro sobre o
branco e os pontos sobre os "is" em
detrimento de um redemoinho de
emoções, justamente as que resgatam
o brilho dos olhos , sorrisos dos
bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa
quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto
para ir atrás de um sonho, quem não
se permite pelo menos uma vez na vida
fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente, quem passa os
dias queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.
Morre lentamente, quem abandona
um projeto antes de iniciá-lo, não
pergunta sobre um assunto que
desconhece ou não responde
quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige
um esforço muito maior que o simples
fato de respirar.
"Somente a perseverança fará com que
conquistemos um estágio esplêndido de
felicidade".

Pablo Neruda

Natal de 1975
(Carlos Drummond de Andrade)

Adia-se outra vez
a instauração do amor,
o advento da paz?
Mesmo assim, mesmo em sonho,
outra vez se deseja
a instauração da paz,
o advento do amor.