Wednesday, November 22, 2006

Sugestão


SEDE ASSIM - qualquer coisa
serena, isenta, fiel.

Flor que se cumpre,
sem pergunta.

Onda que se esforça,
por exercício desinteressado.

Lua que envolve igualmente
os noivos abraçados
e os soldados já frios.

Também como este ar da noite:
sussurrante de silêncios,
cheio de nascimentos e pétalas.

Igual à pedra detida,
sustentando seu demorado destino.
E à nuvem, leve e bela,
vivendo de nunca chegar a ser.

À cigarra queimando-se em música,
ao camelo que mastiga sua longa solidão,
ao pássaro que procura o fim do mundo,
ao boi que vai com inocência para a morte.

Sede assim qualquer coisa
serena, isenta, fiel.

Não como o resto dos homens.

(Cecília Meireles )

(Tela "Danae" - Gustav Klimt)

7 comments:

Papoila said...

Peter:
Em conjunto Cecília Meireles e Klint fazem deste teu "post" um doce momento... Beethoven com "Para Elisa" como fundo...


"SEDE ASSIM - qualquer coisa
serena, isenta, fiel.

Flor que se cumpre,
sem pergunta."


Beijo

Paula Raposo said...

A tela e o poema em sintonia...beijos.

amita said...

Muito lindo, Peter. Uma conjugação perfeita. Um bjo

Lumife said...

Fiquei visita regular do Peter's.
Cecília também é uma preferida.

Abraço

Rosa Brava said...

Um momento, diria PERFEITO!

A excelência da conjugação, poeta, pintor e música...

Deixo um abraço ;)

Nilson Barcelli said...

Não conhecia o poema, cujs mensagem é bem clara.
Boa pintura e boa música a enquadrar o poema.
Abraço.

maresia said...

serena, isenta, fiel

Serena? Sim.
Isenta? Não sei.
Fiel?

Mulher que se fecha quase em concha, posição fetal, serena certamente, descansa, seus olhos se fecham. Aberto o caminho para o seu corpo, sexo virado ao mundo, coxa redonda, quase palpável Isenta? Ou indolentemente isenta? Fiel? A quem? Ao prazer com que sonha, talvez...