Friday, January 04, 2008

Anjos de terra


Anjos, existem anjos? Volúveis seres
que são um instante de voluptuosa brisa
em que o tempo é a forma do desejo
e do sono das folhas e das águas.
Anjos, sim, de terra, que segredam
a argila dos nomes, o movimento azul
do ar. Na sua companhia eu sou o vento
e o meu hálito confunde-se com as suas vozes.

(ARRosa – imagem GOOGLE)

8 comments:

Lumife said...

Regressando ao trabalho mas devagarinho... e desejando tudo de bom em 2008.

Abraço

belakbrilha said...

Anjos, existem anjos????
Cada um terá o seu, certamente para o ajudar a cada dia!

Um bom ANO 2008!

...que seja o melhor!

Paula Raposo said...

Gostei do poema. Existem anjos. Vou acreditar que sim. Beijos.

Amita said...

A ternura num poema extremamente belo do ARR que nos ofereces para abrilhantar 2008.
Renovo os votos de um venturoso Ano.
Um bjinho com muita amizade

São said...

Beethoven é sempre maravilhosamente belo!
Que 2008 seja assim!

Papoila said...

Lindíssimo este poema de António Ramos Rosa!
São estes anjos que nos inspiram.
Beijos

Vieira Calado said...

A maior parte da matéria da Betelguese deve ser de textura idêntica à dos anjos: leve, leve, etérea.
Acontece que as estrelas podem ser muito grandes e ter (relativamente) pouca massa, e outras serem pequenas e ter uma massa enorme.
A estrela em causa é muito pouco densa.

Menina_marota said...

"Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas."

(Sophia de Mello Breyner)


Um abraço carinhoso e grata por esta bela partilha. Feliz 2008 ;)