Thursday, April 21, 2005

Do desejo

Colada à tua boca a minha desordem.
O meu vasto querer.
O incompossível se fazendo ordem.
Colada à tua boca, mas descomedida
Árdua
Construtor de ilusões examino-te sôfrega
Como se fosses morrer colado à minha boca.
Como se fosse nascer
E tu fosses o dia magnânimo
Eu te sorvo extremada à luz do amanhecer.

( Hilda Hist – “Do Desejo” - 1992)

5 comments:

Márcia Maia said...

Marvilhosa sempre Hilda.
Beijo, Peter.

Márcia Maia said...

Eu de novo. Andei viajando. Deixei seu e-mail sobre o Conversas de xaxa pra responder depois, e ele sumiu.
Me escreve de novo?

Beijo.

litle lucy said...

Peter, és sempre bem vindo ao meu cantinho.
:)

Um beijo Meu, rose**

Peter said...

Márcia, não tem importância. Vendo melhor, talvez vc se sentisse bem por aqui, onde apenas há um leitor de poesia e faz falta uma poetiza. O "Conversas" é demasiado eclético, na medida em que aborda temas diversos. Vou ver se vejo como se faz para a convidar a participar no Peter's, pois o servidor é diferente. Obrigado pela visita e um bom fds.

Peter said...

Rose é sempre um prazer ler os teus versos, embora por vezes não deixe comentário. Também deixar comentários "estereotipados", como por aí abundam, não interessa a ninguém. Bom fds.