Saturday, June 11, 2005

Auto-retrato



Este que vês, de cores desprovido,
o meu retrato sem primores é
e dos falsos temores já despido
em sua luz oculta põe a fé.

Do oculto sentido dolorido,
este que vês, lúcido espelho é
e do passado o grito reduzido,
o estrago oculto pela mão da fé.

Oculto nele e nele convertido
do tempo ido excusa o cruel trato,
que o tempo em tudo apaga o sentido;

E do meu sonho transformado em acto,
do engano do mundo já despido,
este que vês, é o meu retrato.

(Ana Hatherly)

A Idade da Escrita, Lisboa, Edições Tema, 1998

6 comments:

BlueShell said...

...E do meu sonho transformado em acto....é meu retrato...
Tão lindo....
BShell

Manoel Carlos said...

Maravilhoso soneto.

whiteball said...

Deixo um beijo
WB

mfc said...

Depois das ilusões e das desilusões, ficamos nós próprios.
O "Für Elise" como fundo é a cereja...

amita said...

Um belo soneto, Peter. Boas férias. Bjo

Heloisa B.P said...

Simplesmente, BELO!!!!!!!!!!
_Meu Abraco, Peter!
_Ja' visitei o N. 4!!!!!!!
Espero visita'-LO MUITISSIMAS VEZES MAIS!!!!!!!!!
_FIQUE BEM!
Heloisa.
***********************