Wednesday, June 08, 2005

Imagens que passais pela retina



Imagens que passais pela retina
Dos meus olhos, porque não vos fixais?
Que passais como a água cristalina
Por uma fonte para nunca mais!...

Ou para o lago escuro onde termina
Vosso curso, silente de juncais,
E o vago medo angustioso domina,
- porque ides sem mim, não me levais?

Sem vós o que são os meus olhos abertos?
- O espelho inútil, meus olhos pagãos!
Aridez de sucessivos desertos...

Fica sequer, sombra das minhas mãos,
Flexão casual de meus dedos incertos,
- Estranha sombra em movimentos vãos.

Camilo Pessanha
(Coimbra, 1867-1926)

3 comments:

Peter said...

Peço desculpa. Já tinha publicado esta imagem. Só sepois de publicada é que confirmei. Espero que não levem a mal, até porque ela se adapta bem ao poema, este sim, ainda não publicado no blog.

Maria do Céu said...

Eis aqui um belissimo blog, gostei dos seus post. Voltarei.

Menina_marota said...

A imagem é tão linda, que não precisas de te desculpar por a teres repetido. E adapat-se maravilhosamente bem a este belíssimo poema de Camilo Pessanha... um poeta, que confesso, tenho esquecido um pouco.

Mas vou penitenciar-me e, num próximo Post do meu Blog, lá lhe farei a devida vénia.
Obrigada pela partilha.

E, desculpa a ausência aqui... O tempo tem sido escasso, mas voltarei.

Um abraço :-)