Thursday, November 17, 2005

Pele saudade



Sinto a saudade na pele
Anulo-a com os meu gestos
Que torno os teus.
Toco um seio como me tocaste
E ele reage
E toma a forma da tua mão.
Sinto no ventre
A contracção que provocas
Quando a tua mão se aproxima
E torno a minha
A tua mão.
Levanto as ancas
Como sempre faço para te receber
Cerro as pernas
Como sempre faço para te guardar.
Hoje
A saudade mora no meu corpo
E sinto a tua presença
Nos gestos desejo
Que desenho em mim.

( Encandescente )

4 comments:

dulce said...

Sempre belos estes poemas da Encandescente.
Uma homenagem merecida.
Beijos.

Maria do Céu Costa said...

Um poema a respirar de lascívia. Beijinhos.

amita said...

Boa escolha, Peter, da imagem e do poema. Quanto às tuas duas questões, a resposta é sim, é meu e sou minhota (lembranças do meu tempo de menina). :)*** Obrigado pela tua amizade partilhada com a sinceridade (que sempre usamos).

Menina_marota said...

Um conjunto, poema/imagem, lindos!
Abraço ;)