Sunday, January 22, 2006

O amor

(Venus - Sandro Botticelli - Florença (Uffizi)

Assim como se eleva
para acariciar
os teus ramos mais tenros
que estremecem ao sol...
também desce às raízes
e abala a tua firmeza na terra.

O amor é a única liberdade do mundo, pois eleva

de tal modo o espírito que as leis da Humanidade

e os fenómenos da Natureza
não alteram o seu curso.

( I. Pedrosa, uma grande mulher das letras.)

4 comments:

lazuli said...

ao ler-te fica-se a pensar nessa coisa extraordinária, o amor

Peter said...

lazuli, o amor é um privilégio não acessível a todos. Na maior parte dos casos tem a vida breve, porque são apenas palavras e desejo sexual.

lazuli said...

pode ser que sim, Peter.
Para mim o amor é ..

Um pouco mais de sol - eu era brasa.
Um pouco mais de azul - eu era além.

Menina _marota said...

Há muito tempo já que não escrevo um poema
de amor.
E é o que eu sei fazer com mais delicadeza!
A nossa natureza
Lusitana
Tem essa humana
Graça
Feiticeira
De tornar de cristal
A mais sentimental
E baça
Bebedeira.

Mas ou seja que vou envelhecendo
E ninguém me deseje apaixonado,
Ou que a antiga paixão
Me mantenha calado
O coração
Num íntimo pudor,
Há muito tempo já que não escrevo um poema
De amor

(Poema de Miguel Torga)

Beijo ;)