Thursday, June 01, 2006

A essência dos sonhos


Na planura dos meus sonhos acendi o farol
Para que me pudesses encontrar.
Bem sabemos nós que os sonhos são coisas assim voláteis,
Finas como seda, frágeis como sementes por germinar.
Convém não os despertar assim de repente, mas devagar,
Como carícia lenta e suave sobre um corpo em chama,
Como um beijo que se anuncia num breve roçar de lábios.
Bem sabemos nós que os sonhos são assim,
Pétalas soltas ao vento da tarde,
Um perfume agreste que permanece como um jardim.
Há tanto tempo que não desvendamos juntos esse silêncio,
A transparência dessas manhãs.
Tenho saudade de mergulhar indefinidamente no teu olhar,
Seara fértil de pólen dourado, até à desmesura.
Que me dizem de novo os teus olhos de âmbar intenso,
Mel, incenso, medida exacta da minha loucura?
Talvez seja a Primavera e o sol pulse já nas romãs
Cujo suco poderíamos saborear até à exaustão.
Talvez seja o Verão no calor ardente do estio,
Água fresca a humedecer a minha pele.
Talvez pudéssemos fugir para esse campo verde
A perder de vista, onde nada é breve ou cruel.

Porque recordo quando a noite era só nossa,
Mágica e perfeita como um afago,
Quando as minhas palavras estavam no teu coração,
Testemunhas solenes e eternas do nosso amor.
Nessas noites densas e azuis como um lago
Quando não era possível temperar a paixão
E ela consumia-nos para então nos libertar.

Faltava-nos o ar. Eu dançava para ti.
Tu seguias com a mão o rasto desse vento.
Não havia protecção contra tamanho sentimento,
Contra a fúria doce desses dias longos.
Bem sabemos nós que os sonhos são assim,
Frágeis e poderosos, luz a entornar.

(Sandra Sá*, in "Noites de Poesia em Vermoim - 1999/2004")

--------------

(*) - Nasceu no Porto e vive em Barca (Maia)

Livro publicado:
“Flores em vez de estrelas” – (poesia)

11 comments:

Rosalina said...

:)

vero said...

Olá querido amigo... belíssimo!!!
Beijinhos muitossss ***
:)

Imperador said...

Vem ao meu blog visitar o calvário de Vader...

lusoblogger said...

A vantagem de pularmos de blogg em blogg é termos a surpresa de encontrar textos como este, e que de todo, para mim era desconhecido!

valeu!

Heloisa B.P said...

LEIO! LEIO! E...deixo um ABRACO!
Heloisa.
**********

wind said...

Bonito poema. Também mando para o Zé Gomes das noites de Vermoim algumas coisitas:) Obrigada pelo moema do Khalil Gibran:-)

BlueShell said...

"Porque recordo quando a noite era só nossa,
Mágica e perfeita como um afago,
Quando as minhas palavras estavam no teu coração,
Testemunhas solenes e eternas do nosso amor."

...nada mais digo porque não quero chorar agora....

beijo
BShell

Anonymous said...

Vim ler, outra vez!
BOM DOMINGO!
ABRACO!
Heloisa.
*********

alfinete de peito said...

Faz suspirar...

Sacana das palavras que mexem com as emoções ;)

Abraço dos Alfinetes!

Papoila said...

Muito belo este poema.
Beijo

su said...

...de fio em fio...vim aqui parar. Procuramos todos as emoções que as palavras nos causam...e ainda dizem que elas não chegam para tanto?!
Gostei muito de ler os conjuntos de poemas e escritos que tens aqui reunidos, por diversos motivos.

Beijos da Teia...