Friday, February 01, 2008

Demissível


Às vezes, tenho ganas de matar a fera,
Que, como o fogo, ruge e se sacode inteira

Dentro aqui do meu ser intemporal... Eu quero,
Às vezes, num assomo de angústia, desespero,

Esquecer das minhas páginas em branco e andar,
Andar por uma via menos dura: achar

No corredor da consciência humana o som,
A minha voz reverberando outra canção.

Mas o meu coração é um soluçar discreto,
Um tique-taque eterno pendurado em um prego

Numa parede do meu ser intemporal
Que, para respirar, sufoca, esgana o mal,

Arranca-o pela raiz. E essa realidade
Ressurgente, uma propaganda da verdade,

Convence-me a seguir em frente, sempre em frente.
O tempo... o tempo é o meu amor inteligente.

(Rodrigo Della Santina)

O autor é um leitor brasileiro muito jovem, que merece ser incentivado. Daí eu ter decidido publicar aqui este seu poema, depois de obtida autorização para o fazer.

- Antiga gravura japonesa, tirada do GOOGLE:

7 comments:

Meg said...

Peter,

Este é um belo poema, que por ser da autoria de um jovem poeta, me surpreende pela intensidade, pela força que se sente nas palavras e que nos inquieta ao mesmo tempo.

Um poeta a aplaudir e incenticar.
Bem hajas!

Um abraço

Tiago R. Cardoso said...

Tens toda a razão, merece incentivo, um enorme texto...

Menina_marota said...

"...Mas o meu coração é um soluçar discreto,
Um tique-taque eterno pendurado em um prego
Numa parede do meu ser intemporalQue, para respirar, sufoca, esgana o mal,"

De um a força tão sentida...

Grata por o partilhares, um Poeta que vale a pena ler!

Um abraço carinhoso e bom Carnaval ;))

Papoila said...

Peter!
Um poema intenso que demonstra uma maturidade invulgar para um jovem.
Belíssimo.
Vale a pena dar a mostrar este poeta.
Beijos

Rodrigo said...

Meu caro Peter,
fico deveras lisojeado por essa publicação. Fico muito contente, ainda, por teres gostado de meu crime poético. Agradeço demais!

E, claro, agradeço a todos vocês que comentaram sobre este meu poema: suas opiniões são-me incentivos preciosos.

Um abraço a você, Peter, e a todos os outros!
Rodrigo Della Santina

Ashera said...

Belissimo poema
Linda homenagem ao querido rodrigo
Muito obrigada aos dois
Bom fim de semana
Beijos e mais beijos

Rodrigo said...

Minha cara Ashera, obrigado por gostar de meu poema: fico contente e lisonjeado, a você que vem me lendo.
Abraços,