Saturday, September 27, 2008

A deusa visível


“Tão viva e ardente e tão clara
no ar em que ela ondula e treme
mais brilhante do que a luz e mais serena
não se adivinha não se imagina a deusa
que não vi e claramente vejo
dormindo no silêncio sem latidos.

Como dizer o que é mais claro do que a claridade
a visão nua de uma mulher na luz
mais completa e mais diurna
do que o dia?

A claridade apaga a claridade.”

(Poesia de António Ramos Rosa, pintura de Sandro Botticelli, “O nascimento de Venus”, Galeria Uffizi, Florença)

7 comments:

Vieira Calado said...

Em relação às constelações, deixe-me dizer-lhe que o telescópio não serve para nada.
O telescópio é utilizado para "campos" muito pequenos e as constelações estendem-se por muito graus nos céus.
Para observar as constelações... nada melhor que o Alentejo profundo, sem qualquer poluição luminosa.
A zona do Pulo do Lobo, por exemplo, onde o nosso primeiro procurou perceber os conjuntos... mas, infelizmente... ficou na mesma...
Um forte abraço

Nilson Barcelli said...

Muita luz também cega...
Duas excelentes obras, de pintura e poesia.
Abraço.

Paula Raposo said...

Excelentes pintura e poema! Um lindo post! Beijos.

Menina_marota said...

A poesia de Ramos Rosa (que adoro) e a pintura de Botticelli, completam-se...

"Está dormindo com a perfeição de uma nuvem
Ouve-se o murmúrio dos seus ténues ribeiros
Respira a preciosa matéria mais nua do que um rio nu
O silêncio brilha em todas as pedras e na garganta do vento
Um brocado de espuma envolve-lhe os róseos tornozelos
Vê uma grande sala de candelabros lilases
com rasgadas janelas para um jardim nocturno
O seu leito é um planeta de nascentes longas
e uma criança atira flechas de papel para a lua
Grita de súbito porque vê o amante sob uma cascata de sangue
e a uva imaculada das suas virilhas
treme na sua concha minúscula como uma cotovia
As constelações acendem-se no seu dossel de virgem
e o seu sono povoa-se de pombas degoladas
que voam para um túmulo de lavrada prata
que tem no meio uma mesa com um falo de pedra apontado às estrelas"
(Poema de Ramos Rosa in Gènese, pág.74)

...que carinhosamente aqui te deixo um um grande abraço ;))

Carol Bonando said...

adorei o post.
voltarei outras vezes e sinta-se bem vindo no meu blog.
abraço

C Valente said...

o facto e de quem esteve nas ex- provincias ultramarina, os chamados lugares de secretaria eram desempenhados por pessoal do quadro, mas como é evidente e não podemos pormenorizar, também havia milicianos, tanto a nível de oficiais, sargentos e praças, isto não desmente o descrito.
Deixe-me que lhe diga Luanda não tinha só o quartel general , mas venha de facto desmentir que a grande maioria do pessoal que se encontrava ,as cidades, nas secretarias ou nos lugares menos duros eram ds chamados do quadro e poucos milicianos.
Honra lhes seja feita também vi muitos e bons oficiais e sargentos do quadro em missões de alto risco, não andavam a polir cadeiras.

Também sabemos e não somos ingénuos ainda hoje temos os chamados voluntários á força que por esta ou aquela razão quando convidados a irem para o e estrangeiro não podem dizer que não em prejuízo de futuro e então quem quer fazer carreira ainda pior.
Creio que ficamos esclarecidos
Saudações amigas
C valente

leonor costa said...

A imagem e a poesia conjugam-se na perfeição.
Bom Domingo

Abraço

HOJE E AMANHÃ