Tuesday, September 09, 2008

A existência


“Quando eu deixar de existir, já não haverá mais rosas,
ciprestes, lábios vermelhos e vinho perfumado.
Não haverá mais alvoradas e crepúsculos, alegrias e
dores.
O universo não existirá mais,
Pois que a sua realidade depende do nosso pensamento.”

(Omar Khayyam)

“O mistério das cousas, onde está ele?
Onde está ele que não aparece
Pelo menos a mostrar-nos que é mistério?
Que sabe o rio disso e que sabe a árvore?
E eu, que não sou mais do que eles, que sei disso?
Sempre que olho para as cousas e penso no que os
homens pensam delas,
Rio como um regato que soa fresco numa pedra.

Porque o único sentido oculto das cousas
É elas não terem sentido oculto nenhum.
E do que os sonhos de todos os poetas
E os pensamentos de todos os filósofos,
Que as cousas sejam realmente o que parecem ser
E não haja nada que compreender.

Sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos:
As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas.”

(Fernando Pessoa)

“A minha presença de mim a mim próprio e a tudo o que me cerca é de dentro de mim que a sei – não do
olhar dos outros. Os astros, a Terra, esta sala, são uma realidade, existem, mas é através de mim que se
instalam em vida: a minha morte é o nada de tudo.”

(Vergílio Ferreira)

(imagem Google)

11 comments:

Fragmentos Culturais said...

... gostei de todos os excertos que seleccionaste! E os autores, os que mais se 'pronunciaram', filosoficamente, sobre sobre a existência!

Os dois últimos conheço-os bem... de tanto os reler!

Sensibilizada pelo olhar em 'fragmentos'!

Paula Raposo said...

Não poderia deixar de passar aqui neste 10 de Setembro para te desejar um óptimo dia! Parabéns. Beijinhos.

Heloisa B.P said...

UM IMENSO ABRACO MEU AMIGO******!!!
_MUITOS PARABENS******!!!!!

ALEGRIA E SAUDE JUNTO DOS QUE AMA!

SUA, SEMPRE AMIGA,

Heloisa
.........
http://valquihelo.multiply.com/journal/item/166/PARABENS_MEU_BOM_AMIGO_PETER

Menina_marota said...

"...Sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos:
As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas.”

(Fernando Pessoa)

O sentido da Vida é aquele que soubermos captar dela...

Um beijo de Parabéns pelo dia de ontem. Que ele se repita por muitos e felizes anos.

Bj

Amita said...

As vésperas levam os nossos pensamentos para o existir, para o ser algo ou nada, para o caminho percorrido ou a percorrer. Dentro de nós tudo se move muito mais lentamente e a mente, incansável, trabalha os ociosos dias leves. Mas há sempre um amanhã, onde o sorriso brota, espontâneo, quando aquele abraço nos chega.
É esse enorme abraço que te trago pelo dia de ontem e um montão de flores e de sorrisos doces.
Parabéns, meu querido amigo.

Fragmentos Culturais said...

... fiquei a saber que teu dia de anos fora anteontem!

Parabéns! Que teu dia tenha sido lindo!

Um beijo

mundo azul said...

Excelentes os textos que você trouxe!
Verdade ditas por homens que dedicaram o seu tempo ao pensamento...

Se foi seu aniversário dia 10, estou atrasada, mas, mesmo assim desejo-lhe muita felicidade! O meu foi dia 7...

Beijos de luz e um domingo muito feliz!!!

Whispers in night said...

Ola!

Andando a navegar encontrei teu cantinho!

Parei e gostei
''Sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos:
As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas.”''

Amei, fiquei encantada com o poema não o conhecia

beijos
Rachel

Heloisa B.P said...

RELEIO E RELEIO E SEMPRE MAIS ME ENCANTO!
...........
ABRACOS!
Heloisa

romério rômulo said...

peter:
venho te agradecer a visita ao
"recalcitrante".um abraço.
romério

Vieira Calado said...

Dois textos bem significativos.
De dois autores de excelência.
Sabe que, em 1961 ou 2, escrevia eu para o jornal A nossa Terra de Cascais, propus o Virgílio Ferreira para Prémio Nobel!!!!...
Um abraço.