Tuesday, July 18, 2006

Poema de muito amor


Ó meu amor minha raiva
meu sol posto a rubro
numa praça

minha voragem meu barco
minha vingança de mar
onde me perco e me mato

Ó suicídio Ó silêncio
Ó beber pelos teus braços
respirar a tua boca
precipício que desato

Ó corpo que sei ser meu
mas que me foge
e não toco

que voragem de dizer
que prazer que não invoco
de te pensar e morrer
de só te ter pouco a pouco

Ó ódio de bem te querer
Ó ternura de ser tua

Ó vontade de correr
contigo no meio da rua

Ó meu amor - desdizer
Ó meu crime de mentira

viagem - mito - prazer
meu interior de colina

Que grito mais rasgado se domina
que medo transformado numa espada
que casa mais secreta e mais vazia
que água mais domada e mais amarga

Minha ferida - consciência
minha loucura encontrada

como arma de gatilho
pronta a me ser disparada

Ó alegria Ó veneno
Ó ódio de me seres tudo
verdade de eu nada ser
na construção do teu mundo

Que fogo inquieto não
iludo
que certeza encontrada
não pergunto

que fuga não domino
e porque luto

que dor não domino
e que desfruto

Ó noite não somente
E também dia
Ó rio não somente
E também corpo

Ó febre não somente meu limite
Mas minha invenção
E meu desejo

Minha evasão – meu país
Meu habitar muito lento

Ó meu amor meu invento
Meu futuro a destruir
Em negação do seu tempo

(Maria Teresa Horta, in “Minha Senhora de Mim”, 1971)

Imagem Google

4 comments:

Solange said...

Peter, quanta saudade de vc e dos membros do conversas de xaxa. Cd todo mundo?
meu contato é: mssl_sol@hotmail.com
Dê notícias.
Um grande abraço

Luís said...

;-)

vero said...

Ó meu amor, minha vida
minha loucura, minha paixão

Ó meu amor, minha ira,
meu desespero, minha perdição...


Beijinhos***

Heloisa B.P said...

"Minha ferida - consciência
minha loucura encontrada

como arma de gatilho
pronta a me ser disparada

Ó alegria Ó veneno
Ó ódio de me seres tudo
verdade de eu nada ser
na construção do teu mundo

Que fogo inquieto não
iludo
que certeza encontrada
não pergunto

que fuga não domino
e porque luto

que dor não domino
e que desfruto

Ó noite não somente
E também dia
Ó rio não somente
E também corpo

Ó febre não somente meu limite
Mas minha invenção
E meu desejo

Minha evasão – meu país
Meu habitar muito lento

Ó meu amor meu invento
Meu futuro a destruir
Em negação do seu tempo"
***************************
Mais uma ESCOLHA impar, meu Carissimo PETER!

A IMAGEM que encima o POEMA, guia-se pela mesma "bitola"!

Que esteja BEM e' meu desejo!
um Abraco.
Heloisa.
**********